Emissoras que operam na frequência AM têm vantagens importantes, como o alcance bem maior e o custo médio de manutenção inferior à rádio FM. Contudo, a qualidade do serviço costuma deixar a desejar.

Para oferecer um som mais nítido e livre de interferências, grande parte desses canais de comunicação está optando pela migração da faixa AM para a Frequência Modular, a famosa FM.

O artigo de hoje foi feito para que você entenda um pouco melhor esse processo. Afinal, quem deseja investir no ramo da música precisa estar por dentro de tudo o que acontece. Portanto, continue a leitura e saiba mais!

A migração da rádio AM para FM

A migração da frequência AM para a rádio FM iniciou em 2009, quando se constatou a necessidade de preservação das emissoras que operam na faixa AM e gostariam de melhorar a qualidade dos seus serviços.

O que acontece é que as rádios AM sofrem interferências de outras ondas eletromagnéticas, diminuindo a nitidez do som. Isso não ocorre com a FM, que tem uma cobertura mais uniforme e é menos afetada por esses ruídos.

A Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão (SET) publicou um artigo no início de 2017 que apontava uma migração de 70% das emissoras AM para a FM no Brasil. Vale lembrar que, embora não seja obrigatória, a maioria das rádios aderiu ao movimento por acreditar que se trata de uma maneira efetiva de preservar o próprio conteúdo.

Como isso acontece?

Para realizar a migração, as emissoras precisam adquirir os equipamentos necessários para se adaptar à frequência. Contudo, o processo não é tão simples quanto parece, pois o congestionamento da faixa utilizada pelas rádios FM não pode ser ignorado.

Para resolver esse problema, o então presidente da Anatel concedeu as faixas utilizadas pelos canais de TV analógicos para essas emissoras. O sinal que passa a ser digital a partir deste ano abre espaço para as rádios que desejam mudar a frequência e ter mais qualidade de áudio.

É importante salientar que, nas cidades em que a faixa para FM está ocupada, as rádios que migrarem terão um período de transmissão simultânea em AM e FM por questões de adaptação.

Os custos de Adaptação de Outorga são de responsabilidade da emissora em questão, e as rádios que optarem por continuar operando na frequência AM devem se adequar a algumas normas, como o aumento da potência, por exemplo.

As vantagens para as rádios

Além de aumentar a qualidade do som e operar com menos interferência, a tendência é que os números da audiência também. Afinal de contas, no geral, os ouvintes preferem um áudio mais nítido.

É importante desmistificar a ideia de que o alcance será reduzido. Dependendo da faixa concedida para a emissora, a área de abrangência pode ser maior, como aconteceu com a Marconi, de Santa Catarina, e a Rádio Aparecida, de São Paulo.

A rádio online como opção

Se você busca por uma alternativa menos complicada, mas atraente para o público, com altos níveis de engajamento na internet e tanto potencial de crescimento quanto as emissoras que transmitem via FM, deve considerar investir em uma web rádio.

A rádio online proporciona um alcance muito maior que a AM ou a rádio FM, uma vez que não ha limites geográficos para a internet. Com a divulgação certa, o seu canal certamente será um sucesso!

Não perca mais tempo: conheça agora mesmo os serviços da Bycast e inicie o planejamento de inauguração da sua própria web rádio! Entre em contato conosco!

Powered by Rock Convert
Bycast
Autor

Escreva um comentário